Dicas interessantes

Recolocação profissional: por que é importante e como usar

Oferecer o serviço de recolocação profissional humaniza as relações e permite que sua empresa seja bem vista e avaliada.

 

Com o país atravessando uma grave crise econômica, explicitada pelas altas taxas de desemprego, as organizações têm passado por constantes reestruturações, adequações e reduções, o que frequentemente ocasiona o desligamento de funcionários. Nesse contexto, percebendo a importância de se adaptar ao mercado, mas tendo em vista também a responsabilidade social que essas transformações acarretam, muitas empresas vêm procurando os serviços de recolocação profissional, uma das soluções do outplacementatividade que tem o objetivo de promover processos de desligamento com plena integridade e respeito ao colaborador.

O oferecimento do benefício vai ao encontro de uma visão mais abrangente sobre o papel dos funcionários nas organizações, na qual estes deixam de serem considerados meros recursos para executar tarefas e alcançar objetivos, passando a serem reconhecidos como indivíduos com valores, aspirações e objetivos pessoais e coletivos. A prática se alinha a um conjunto de valores éticos que contribuem para a construção de uma sociedade mais coesa e para um sistema econômico mais sustentável.

 

MAS, AFINAL, O QUE É A RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

A recolocação profissional é uma atividade de consultoria que objetiva oferecer apoio e orientação para facilitar o processo de retorno ao mercado de trabalho. Com o acompanhamento de um especialista, que dará suporte nos níveis emocional e profissional, o indivíduo sofre menor impacto no processo de dispensa, tornando essa etapa da vida mais fácil.

A partir de um conjunto de ferramentas ─ disponibilizadas pelas consultorias de recolocação profissional ─ a pessoa demitida é assistida por especialistas que ajudam-na a lidar com este momento, recebendo orientação sobre comportamentos que têm impacto positivo sobre sua percepção e ânimo, reduzindo o desconforto psicológico e permitindo a elaboração de  estratégias voltadas para as reais oportunidades do mercado e que possibilitem a redução do tempo de recolocação.

Atualmente, um grande número de empresas oferece consultoria com o objetivo de auxiliar profissionais no processo de transição de carreira ou na busca de uma recolocação profissional. É possível contratar os serviços individualmente e arcar totalmente com os seus custos, estando empregado ou não. Contudo, estas instituições são cada vez mais solicitadas por organizações que desejam amparar seus ex-colaboradores na busca por uma nova oportunidade.

 

COMO SURGIU O SERVIÇO DE RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

Para falar da origem do serviço de recolocação profissional, é preciso antes falar do surgimento do outplacement ─ o “guarda-chuva” sob o qual a recolocação profissional está inserida.

O outplacement surgiu nos Estados Unidos, após a Segunda Guerra Mundial, quando consultores de emprego passaram a auxiliar os militares que regressavam ao país a encontrar um trabalho. Contudo, foi a partir do final dos anos 60, quando o crescente número de trabalhadores desempregados se tornou um problema crítico, que o oferecimento do serviço de outplacement cresceu no contexto empresarial. Nesse momento, algumas organizações se intitularam como empresas de outplacement e começaram a promover e vender os seus aconselhamentos, amparando talentos em processos de transição de carreira, pós-carreira e recolocação profissional.

No Brasil, os programas de outplacement chegaram na década de 80, mas só se desenvolveram a partir da abertura da economia, nos anos 90, com o aumento da competitividade do mercado. Nos últimos 15 anos, o número de empresas especializadas nessa atividade triplicou, o que mostra como a inserção de uma postura de demissão responsável reflete diretamente na imagem da organização.

 

QUEM FAZ A RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

O serviço tem sido difundido por empresas de outplacement, as quais são normalmente contratadas por empresas de médio e grande porte que optam por realizar um processo de demissão responsável, oferecendo aos seus funcionários o amparo no processo de recolocação profissional.

Voltado inicialmente para cargos de gerência ou superiores, atualmente há organizações que vem contratando esse tipo de serviço até mesmo para funcionários de médio escalão, embora num volume ainda pequeno. Isso mostra que, cada vez mais, tem-se reconhecido a importância de exteriorizar os benefícios que a cultura de demissão responsável traz para a imagem da organização e para a vida de todos os envolvidos.

 

QUAIS SÃO AS ETAPAS DA RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

Nos processos de recolocação profissional, as consultorias especializadas ─ exclusivamente nesta área ou também aquelas que realizam os demais serviços de outplacement ─ oferecem apoio e orientação, seguindo essencialmente as etapas abaixo:

  • Acolhimento

Num primeiro momento, a consultoria contratada trabalha junto à empresa na definição do processo de demissão. Checa-se quem será envolvido e a forma mais adequada de efetivar o desligamento de acordo com princípios éticos. Planeja-se a data em que será firmado o desligamento, quem vai anunciar a demissão, como será feito (em grupos ou individualmente), quanto tempo levará o processo e se o dia não coincide com uma data importante para o profissional desligado.

No ato da dispensa, muitas empresas oferecem benefícios além do que é de direito e, neste momento, o funcionário é comunicado sobre eles, como prorrogação do plano de saúde, uma porcentagem sobre a remuneração anual, entre outros auxílios. Após o desligamento, o profissional é encaminhado para a consultoria que o apoiará na recolocação profissional. Lá, um especialista acolherá o indivíduo e fará um detalhado diagnóstico do momento profissional do assessorado. Em alguns casos, a empresa solicita que o consultor de recolocação esteja presente no momento do desligamento.

 

  • Aconselhamento de carreira

Em seguida, é desenvolvido um planejamento personalizado que possibilite acelerar o processo de recolocação profissional do ex-colaborador. Nesse momento é preciso identificar suas expectativas de carreira e desenvolver uma reavaliação de sua trajetória profissional. Atrelado a isso, é fundamental identificar as habilidades e competências do profissional, reconhecendo seus pontos fortes e pontos a desenvolver. Isso possibilita ampliar horizontes e oferecer alternativas mais assertivas ao assessorado, além de abrir espaço para rever aspectos pessoais e profissionais que podem ser melhorados.

 

  • Plano de ação

Compreendida a meta a ser alcançada, a empresa de consultoria traça junto ao profissional um plano de ação para recolocá-lo no mercado de trabalho. Nesse momento algumas ações podem ser realizadas, tais como: elaboração de um material curricular diferenciado (normalmente em português e inglês); desenvolvimento de uma boa carta de apresentação do profissional; realização de simulações de entrevista em português e em outros idiomas; orientação sobre as modalidades mais comuns de processo seletivo e o que deve ser feito para se alcançar um bom desempenho na ocasião etc.

Também é muito comum nesta fase do processo de recolocação profissional que a consultoria dê dicas ao candidato sobre marketing pessoal – incluindo orientações sobre vestimenta adequada para uma entrevista e sugestões de melhoria em perfis de redes sociais, dentre elas  o Linkedin. Algumas empresas de recolocação profissional realizam ainda uma busca ativa por vagas, fornecendo informações sobre processos seletivos, indicando o cliente para o RH de companhias, headhunters e consultorias de recrutamento e seleção.

 

  • Preparo psicológico

O serviço de recolocação profissional compreende também dar suporte para o equilíbrio emocional do cliente. Isso porque a demissão pode ser considerada uma perda, que geralmente desestrutura o profissional, afetando sua autoestima, sua segurança e, por vezes, até mesmo sua relação com a família. Trata-se de um processo que gera desconforto e luto, em menor ou maior escala. Assim, é importante amparar psicologicamente o indivíduo para a busca de um novo emprego. Por esse motivo as empresas de outplacement e de recolocação profissional normalmente oferecem o acompanhamento de um psicólogo e até mesmo sessões de coaching.

Vale lembrar também que nesse momento delicado de recolocação profissional é fundamental resgatar a autoconfiança do assessorado. Quando ela não existe ou, se de alguma forma se encontra fragilizada, os recrutadores são os primeiros a perceber. Isso enfraquece a postura do candidato em uma entrevista de emprego. Assim, é importante recuperar esta segurança do indivíduo em suas potencialidades, para que ele consiga trabalhar também outros sentimentos positivos tais como equilíbrio, visão, gratidão, humildade etc.

 

POR QUE AS EMPRESAS DEVEM INVESTIR NA RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL DOS COLABORADORES DEMITIDOS OU QUE RESCINDIRAM O CONTRATO?

Ao investir na recolocação profissional dos funcionários desligados, a organização tem a oportunidade de aumentar o employer branding da empresa, pois esta ação enriquece as relações com os colaboradores e promove a imagem de uma companhia que os valoriza e ampara. Além disso, o serviço traz outros benefícios como:

  • Diminui o impacto do ato de demissão, proporcionando maior conforto ao ex-funcionário;
  • Permite que o ex-colaborador seja recolocado cerca de 50% mais rápido no mercado de trabalho;
  • Reduz o número de ações trabalhistas contra a empresa;
  • Capacita os responsáveis por conduzir os desligamentos da empresa, contribuindo para processos de demissão mais responsáveis, inteligentes e planejados.

 

QUAIS EMPRESAS DEVEM INVESTIR NA RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

A prática é pertinente para todo o tipo de empresas (pequenas, médias e grandes) e para todo tipo de setores de atividade. Contudo, muitas companhias não têm condições de investir neste tipo de benefício por causa do custo. Assim, a recolocação profissional vem sendo realizada, principalmente, em organizações de médio e grande porte, para cargos de supervisão, gerência diretoria e presidência, e neste caso, cada empresa tem a sua política de incluir ou não o programa de recolocação profissional no pacote de desligamento.

 

QUANDO AS EMPRESAS RECORREM AO SERVIÇO DE RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

A recolocação profissional é utilizada quando a demissão ocorre por iniciativa do empregador. Afinal, a prática é entendida como uma estratégia de responsabilidade social que as companhias aplicam de modo voluntário. Assim, a compensação é dada aos trabalhadores dispensados por motivos que lhes são alheios. As principais modalidades de desligamento que se enquadram nesse caso são:

  • Demissões coletivas;
  • Demissões por extinção do posto de trabalho;
  • Demissões por motivos de fusão e aquisição;
  • Demissões por inadaptação do funcionário;
  • Revogação do contrato de trabalho por mútuo acordo.

No caso de funcionários que foram demitidos por justa causa ou compliance, este benefício não costuma ser oferecido.

Cabe também lembrar aqui que não receber o benefício não significa necessariamente falta de merecimento. Muitas vezes a empresa não tem condições financeiras de oferecer o serviço de recolocação profissional a todos os funcionários, selecionando apenas os colaboradores de cargos mais altos para recebê-lo. Muitas empresas incluem em suas políticas de desligamento o programa de recolocação profissional, especificando o perfil elegível, a fim de serem transparentes com seus colaboradores, evitando assim privilégios e exceções.

 

COMO ESCOLHER UMA EMPRESA DE RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL?

O exercício de recolocação profissional exige a atuação de consultores especializados, munidos da experiência e competência necessárias para que possam, de fato, ajudar quem necessita de orientação. Por isso é fundamental ficar atento quando for escolher uma empresa de recolocação profissional. Vão aqui algumas dicas que podem ajudar:

  • Busque referências, pedindo indicação e avaliando quem está à frente da empresa indicada. Tente saber há quanto tempo a consultoria atua no mercado;
  • Veja se a consultoria tem um bom Pergunte sobre o relacionamento da empresa com os headhunters. Veja se ela tem um bom banco de empresas com as quais se relaciona;
  • Compare a precificação versus o serviço oferecido;
  • Avalie se o serviço oferecido é personalizado ou generalista (por exemplo, se as informações são passadas de maneira individualizada ou para grupo de profissionais, mesmo que de empresas distintas);
  • Dê oportunidade para as pequenas e médias empresas de recolocação profissional. Muitas vezes elas são ótimas fornecedoras, que podem encontrar soluções por um preço mais competitivo;
  • Após a contratação do programa, realize um acompanhamento junto ao colaborador desligado, procurando entender se a empresa de recolocação profissional está cobrindo as expectativas do assessorado e entregando o que foi acertado em contrato.

 

VEJA TAMBÉM EM NOSSO BLOG

Dicas para uma entrevista de emprego em inglês

Um olhar sobre a carreira após os 60 anos

Ensinem os filhos a falhar

Zefini ConteúdosRecolocação profissional: por que é importante e como usar
leia mais

Dicas para uma entrevista de emprego em inglês

 

Como agir para melhorar sua performance, já que o domínio da língua inglesa é requisito básico para quem quer crescer no mercado – via Linkedin

Conhecimentos em língua inglesa deixaram de ser um diferencial na formação profissional. Hoje, essa habilidade é requisito básico em diversas áreas de atuação e níveis hierárquicos…

Blumen ConsultoriaDicas para uma entrevista de emprego em inglês
leia mais

Perguntas Mais Comuns Em Entrevistas de Emprego

Neste artigo, com as perguntas mais comuns em entrevistas de emprego, minha intenção é que nunca mais você não saiba o que responder quando te fizerem aquelas perguntas clássicas.

Já deve ter acontecido com você. Na entrevista de emprego, você estava indo muito bem, até que o recrutador faz uma pergunta que você não tem a menor ideia de como responder ou pior, responde da pior maneira possível!

adminPerguntas Mais Comuns Em Entrevistas de Emprego
leia mais

Um olhar sobre a carreira após os 60 anos

Assisti recentemente o filme “Um senhor estagiário” com Robert De Niro. Além de divertido demonstra de maneira clara as competências necessárias para continuar ativo após a aposentadoria.

O filme retrata um viúvo americano, aposentado que já curtiu seu período sabático e deseja fortemente continuar ativo.  Ben é contratado  por uma startup promissora que vende roupas por e-commerce. Seus colegas são todos muito jovens, inclusive a dona do negócio.

adminUm olhar sobre a carreira após os 60 anos
leia mais

Ensinem os filhos a falhar

O processo de humanização começa pelo entendimento de que jamais haverá a satisfação completa. É esse o curso saudável das coisas. Se os pais boicotam esse processo, podem estar cometendo um erro.” – Jean-Pierre Lebrun

Nos últimos 30 anos, a ideia dos pais como senhores do destino dos filhos vem desabando progressivamente. As consequências disso não são necessariamente ruins, como explica o psicanalista belga Jean-Pierre Lebrun, uma das principais referências na Europa no estudo sobre mudanças nas relações entre pais e filhos. Mas, para tanto, é preciso aprender a negociar com os filhos mantendo a autoridade. Leia abaixo os principais trechos da entrevista que Lebrun concedeu à revista Veja quando no Brasil para o 3º Encontro Franco-Brasileiro de Psicanálise e Direito.

adminEnsinem os filhos a falhar
leia mais